Nutricionistas, psicólogos e até arena: conheça as milionárias gaming houses

sportv-1

Com custo de construção que chega a ultrapassar R$ 1 milhão, os CT’s digitais são os trunfos das maiores equipes de games no país. São Paulo concentra maior parte.

Há anos, o universo esportivo discute o impacto de estruturas de ponta na obtenção de resultados expressivos. No mundo dos games profissionais, o assunto é tema unânime desde o início. E não é questão de tirar o talento de um pedestal absoluto – é, na verdade, potencializá-lo ao extremo. Por conta disso, nos últimos cinco anos, as gaming houses – centro de treinamentos digitais – explodiram no Brasil. Sobretudo em São Paulo, cidade que concentra a maior parte destas estruturas que habitam o imaginário dos jovens e chegam a ter investimento inicial que ultrapassa R$ 1 milhão.

As gaming houses são basicamente casas – ou complexo de apartamentos – que se transformam em aparelhos com agenda de treinos profissionais combinada com moradia. Elas chegam a comportar fixamente até oito atletas profissionais – em absoluta maioria jogadores de League of Legends, atualmente o game mais popular no país e com calendário robusto de competições.

– Os jogadores precisam não só de uma boa estrutura, mas também de funcionários competentes por trás. É muita gente na casa. Apoio psicológico, cozinheiras, nutricionistas… E isso gera um custo em média de R$ 80 a 100 mil por mês – revelou Arthur Curiati, CEO da Pain Gaming.

E como não poderia deixar de ser, a principal característica destes centros de treinamentos digitais é a alta tecnologia empregada em seus equipamentos e suportes. Exemplos não faltam. A velocidade de conexão das gaming houses chega a alcançar 200 mbps – 60 vezes mais veloz que a média dos lares brasileiros. Os computadores para treinos chegam a custar R$ 5 mil. A iluminação nos locais de atividades é planejada para não cansar a visão dos jogadores. As cadeiras onde os ciberatletas passam em média oito horas não sai por menos de R$ 1,5 mil cada.

Mas não é só isso. Além dos predicados básicos necessários para uma local de moradia comum e treinos digitais de alta performance, as principais gaming houses contam ainda com outros atributos. E que talvez você não saiba. É comum nestes CT’s digitais a existência de salas de reuniões, estúdios de streaming (exibições do jogo via web), cozinhas semi-industriais e até laboratórios de análises técnicas. A CNB, inclusive, elaborou uma arena com área para espectadores e alimentação. Robusta, a INTZ conta com uma estrutura que ocupa quatro apartamentos na região do Brás, em São Paulo. As duas equipes decidem o Campeonato Brasileiro de League of Legends neste sábado, no Ginásio do Ibirapuera. O SporTV 3 transmite a final do CBLoL ao vivo a partir de 12h. O SporTV.com acompanha o evento em tempo real.

SUPORTE HUMANO TAMBÉM DE PONTA

Nem só de estrutura física vive uma gaming house. Os jogadores são permanentemente assistidos por profissionais especializados em alto rendimento. Acompanhamento psicológico regular é visto atualmente como obrigação. Os atletas são auxiliados a lidar com as pressões do alto rendimento, moradia compartilhada, ansiedade e a vida longe de casa. E não para por aí. Uma das equipes ainda conta um um life coach, um especialista em motivação e consultoria de carreira. Ele cuida da rotina de treinos e do espaço para as realizações pessoais dos cyber atletas.

A questão física também é uma preocupação. Ainda que a atividade não demande grande esforço corporal aparente, a frequência cardíaca dos atletas em competições é considerada alta pelos especialistas. Por isso, as equipes estimulam que os atletas pratiquem um outro esporte e também frequentem academias regularmente. A alimentação também é levada a sério. As equipes de ponta mantêm no seu quadro funcional também a figura de um nutricionista fixo.

Source: SporTV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll Up